Equipamentos
| Postado em 16 de março de 2020 às 2:30

7 itens que desapareceram do mercado de carros

Por Redação Portal

São os equipamentos para carro obsoletos, que hoje só existem em modelos mais antigos.

7 itens que desapareceram do mercado de carros
Reprodução

Eles já foram sinônimos de status e tornaram-se objetos de desejo. Mas o tempo passou: fatores como a evolução da tecnologia ou pela mudança de hábitos da população tirou todos de cena. São os equipamentos para carro obsoletos, que hoje só existem em modelos mais antigos.

Bateu aquele saudosismo? Então coloque seu CD preferido na disqueteira, abra o quebra vento da janela e embarque nessa viagem conosco: listamos 7 equipamentos para carro que já foram cobiçados, mas caíram em desuso. E aproveite bem, pois em breve todos eles devem virar peças de museu!

Equipamentos para carro que caíram em desuso:

1. Acendedor de cigarros com cinzeiro

A difusão de informações sobre os malefícios do tabagismo parece ter surtido algum efeito: no Brasil, o número de fumantes caiu cerca de 40% entre 2009 e 2019. Isso trouxe reflexos nos automóveis, que já há alguns anos não trazem mais acendedor de cigarros e cinzeiro.

Poucas décadas atrás, esses equipamentos eram vistos em praticamente todos os carros, até nos modelos mais populares. Era comum, inclusive, a presença de dois ou três cinzeiros, para atender também aos passageiros do banco traseiro.

2. Quebra-vento

Até a virada do século, ar-condicionado era coisa de carro de luxo. Um dos poucos recursos capazes de proporcionar algum refresco aos ocupantes era o quebra-vento. Tratava-se de um item praticamente obrigatório: alguns modelos, que não dispunham deles em outros países, tinham o projeto original modificado para recebê-los quando passavam a ser fabricados no Brasil.

O banimento, porém, não se deve à popularização do ar-condicionado. Em uma colisão lateral, o vidrinho do quebra-vento, quando aberto, atuava como uma lâmina contra a cabeça dos ocupantes. Ademais, era uma porta de entrada para os arrombadores de veículos.

3. Antena elétrica

Bastava ligar o aparelho de som para ver a antena elétrica cromada erguendo-se-se automaticamente em direção ao céu. Os que dispunham dessa comodidade, em geral, eram os proprietários de veículos de luxo: nos modelos mais básicos, o motorista tinha que sair e levantar a peça manualmente.

Essas cenas pertencem ao passado há pelo menos duas décadas. Porém, é curioso notar que os carros até hoje trazem antenas para seus equipamentos de áudio. Elas podem ser internas, do tipo barbatana ou rosqueáveis: nessas últimas, também há a necessidade de descer para afixá-las.

4. Disqueteira

Os aparelhos de som evoluíram exponencialmente, mas mantiveram-se vivos. O rádio AM passou a sintonizar também FM, depois passou a tocar cassetes, posteriormente substituídos por CDs. Por fim, vieram as centrais multimídia com recursos de conectividade para áudio.

Contudo, enquanto os equipamentos de áudio para carro, apesar das mudanças, permaneceram instalados no centro do painel, alguns agregados se foram. É o caso das disqueteiras, que geralmente roubavam espaço no porta-luvas ou no porta-malas. Custavam bem caro e duraram pouco no mercado.

5. Navegador GPS

Aparelhos de GPS nativos foram equipamentos para carro ainda mais fugazes que as disqueteiras. Inicialmente, eles nem vinham de fábrica: eram acessórios que precisavam ser presos ao para-brisa com uma ventosa. Depois, passaram a ser conjugados às primeiras centrais multimídia.

Hoje, poucos automóveis ainda trazem os navegadores, que logo foram substituídos por plataformas de espelhamento de celular. Afinal, os aplicativos de rotas são bem mais eficientes, pois processam informações sobre o trânsito em tempo real.

6.Quebra-mato

É verdade que esses adereços nunca foram majoritários nas ruas, mas eram vistos com frequência em picapes de maior porte. Até veículos menores chegaram a ter versões equipadas de fábrica com eles. Lembra-se de Fiat Palio Weekend e Strada Adventure e da Chevrolet Montana Off-Road?

Como o quebra-mato só faz sentido em trilhas radicais, para impedir que a vegetação danifique a dianteira do veículo, ele logo foi abolido de modelos dos demais segmentos. Os pedestres agradecem, uma vez que esses equipamentos potencializam as lesões em casos de atropelamento.

7. Luzes de leitura

Você conhece alguém que ainda desdobra um mapa de papel para calcular uma rota? Não? Pois é por isso mesmo que as luzes de leitura entraram em extinção. Nos automóveis de luxo, havia luzes individuais para todos: como elas emitiam um facho de luz bem fechado, permitiam que os passageiros folheassem jornais ou revistas sem atrapalhar a visão do motorista à noite.

Como a leitura a bordo, hoje, quase sempre é feita na tela do celular, que tem brilho próprio, as luzes de leitura tornara-se desnecessárias. Tanto que até mesmo modelos mais sofisticados não costumam trazer mais que dois spots de iluminação, com fachos abertos. E, assim, mais um dos outrora desejados equipamentos para carro caiu em desuso.

0 0 vote
Article Rating

Fonte
Auto Papo


Tags


Deixe sua reação


Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas
Colunas
Colunas
Mais Vídeos
Seja você a mudança que quer para o mundoSeja você a mudança que quer para o mundo
Vídeos

Seja você a mudança que quer para o mundo

Clubinho Honda – Segurança no TrânsitoClubinho Honda – Segurança no Trânsito
Vídeos

Clubinho Honda – Segurança no Trânsito

Em todo o mundo pessoas arriscam a sua vida e dos seus no trânsitoEm todo o mundo pessoas arriscam a sua vida e dos seus no trânsito
Vídeos

Em todo o mundo pessoas arriscam a sua vida e dos seus no trânsito

O uso da bicicleta facilita o trânsitoO uso da bicicleta facilita o trânsito
Vídeos

O uso da bicicleta facilita o trânsito