Notícias
| Postado em 20 de novembro de 2019 às 2:52

Juíza mantém liminar em favor do Manaíra Shopping e reconsidera decisão para preservar prerrogativas parlamentares

Por Redação Portal

Ela havia derrubado a eficácia da lei dentro do shopping em Manaíra após atender um pedido de liminar do Condomínio Manaíra Shopping Center e a Portal Administradora de Bens Ltda.

Juíza mantém liminar em favor do Manaíra Shopping e reconsidera decisão para preservar prerrogativas parlamentares
Reprodução

A juíza Flávia da Costa Lins, da 1ª Vara de João Pessoa, reavaliou e alterou, nesta quarta-feira (20), a decisão sobre a suspensão da aplicação no Manaíra Shopping da Lei Estadual nº 11.504/2019, que dispõe sobre o tempo de carência de 20 minutos nos estacionamentos. Ela havia derrubado a eficácia da lei dentro do shopping em Manaíra após atender um pedido de liminar do Condomínio Manaíra Shopping Center e a Portal Administradora de Bens Ltda.

A magistrada reformou a decisão para retirar apenas o que diz respeito à ação de juntar peças e encaminhar ao Ministério Público da Paraíba investigação sobre o deputado Wilson Filho, autor do projeto que resultou na lei dos estacionamentos.

A juíza argumentou na decisão: “Revendo no dia de hoje, a decisão supra, decidi reconsiderá-la em parte, para mantendo INTEGRALMENTE o deferimento da liminar, deixar tão somente de determinar a remessa de peças ao Ministério Público, por reputar, ao reavaliar a questão, que ao Parlamentar Estadual assiste o direito de propor projeto de lei em matéria que lhe aprouver, mesmo entendendo neste particular aspecto pela inconstitucionalidade da propositura e ainda pela imprudência em apresentar em nome próprio projeto de lei que sabe ser, por reiteradas decisões, inclusive do STF, inconstitucional.”

Ela destacou que a decisão não altera a suspensão de punição ao Manaíra Shopping em caso de descumprimento da lei de gratuidade no estacionamento. “Por respeito a independência e separação de Poderes, e ainda, pela defesa do direito a todos imposto de liberdade constitucional de expressão, reconsidero a decisão proferida, ressalte-se, somente no que tange à determinação de remessa de peças ao Ministério Público, para determinar doravante que não se remeta ditas peças, eis que, repita-se, o Parlamentar agiu, mesmo equivocadamente, no seu direito institucional e pessoal de representar parcela da população”, disse a juíza Flávia da Costa Lins.

Cabe recurso da decisão.

Fonte
Click Pb


Tags


Deixe sua reação


Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Notícias Relacionadas
Recall

Hyundai chama i30 para recall; airbags podem se abrir com impactos em ...

A Hyundai anunciou um recall envolvendo 112.585 unidades do i30 de primeira geração, feitos...

DPVAT

Seguradora quer reverter decisão do governo de extinguir Dpvat

De cada 10 veículos na rua, menos de três têm seguro facultativo – mais de 70% transitam...

Dúvidas

Gasolina com água e combustível incolor. O que é mito e verdade?

Quando o assunto é a gasolina que vai para o motor do carro, todo cuidado é pouco. Apesar de todas...

Colunas
Colunas
Colunas
Colunas