Colunas
31/07/2020 às 10:33 | Atualizado em 31 de julho de 2020

Motociclista maior vítima da epidemia de acidentes

Por Redação Portal

Motociclista maior vítima da epidemia de acidentes

Os motociclistas são as maiores vítimas da epidemia de acidentes de trânsito no Brasil. Segundo dados da Seguradora Líder, que gerencia o Dpvat – seguro por danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre –, nos últimos dez anos foram pagas 3,2 milhões de indenizações às vítimas do trânsito envolvendo motocicletas e ciclomotores. No período, quase 200 mil pessoas morreram, e outros 2,5 milhões ficaram com algum tipo de invalidez permanente. Os números retratam uma realidade alarmante e expõem a urgência em se adotarem políticas públicas voltadas à proteção dessa categoria.
Durante a pandemia, a combinação entre desemprego e aumento da demanda por serviços de delivery fez crescer também o número de profissionais que passaram a atuar com o motofrete. Seja a serviço de comércios ou aplicativos de entrega, a categoria se expõe a risco duplo, o de contaminação e de acidentes, para garantir o funcionamento da sociedade durante uma das fases mais difíceis já vividas pelos brasileiros.
As motos correspondem a apenas 29% da frota de veículos, mas são as responsáveis pela maioria dos casos de invalidez permanente no trânsito. E a maior parte dessas vítimas é composta por jovens. Para termos uma ideia do avanço desse problema na nossa sociedade, entre janeiro e março deste ano, ainda segundo dados da Seguradora Líder, 49.770 motociclistas ficaram inválidos em decorrência dos acidentes.
Estamos assistindo à criação de um exército de mutilados. São trabalhadores, pais de família, que perderam a capacidade de sustentar suas famílias e passaram a ser dependentes da Previdência Social. Além dos incalculáveis prejuízos sociais e emocionais, a violência no trânsito provoca a sobrecarga do Sistema Único de Saúde (SUS), já que 60% das vagas de UTI são ocupadas por vítimas dos acidentes, e o rombo na economia do país, aumentando os gastos com a Previdência Social.
A ausência de uma legislação trabalhista que dê garantias e segurança a esses profissionais acaba por deixar milhares de trabalhadores entregues à própria sorte, causando ainda mais dor e sofrimento. Neste mês em que se celebra o Dia do Motociclista (27 de julho), é preciso reforçar a necessidade de protegermos esses trabalhadores não só contra a contaminação pelo coronavírus, já que eles estão na linha de frente, mas também contra a insegurança no trânsito.
Toda a sociedade ganha com a redução dos números de acidentes, e esta deve ser uma das preocupações dos governos em todas as esferas. Não é hora de priorizar a flexibilização das regras do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), mas sim de criar mecanismos que promovam a segurança viária.
Alysson Coimbra de Souza Carvalho é médico especialista em medicina de tráfego e membro da Comissão de Assuntos Políticos da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet)

0 0 vote
Article Rating


Deixe sua reação


Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas
Colunas
Colunas
Mais Vídeos
Seja você a mudança que quer para o mundoSeja você a mudança que quer para o mundo
Vídeos

Seja você a mudança que quer para o mundo

Clubinho Honda – Segurança no TrânsitoClubinho Honda – Segurança no Trânsito
Vídeos

Clubinho Honda – Segurança no Trânsito

Em todo o mundo pessoas arriscam a sua vida e dos seus no trânsitoEm todo o mundo pessoas arriscam a sua vida e dos seus no trânsito
Vídeos

Em todo o mundo pessoas arriscam a sua vida e dos seus no trânsito

O uso da bicicleta facilita o trânsitoO uso da bicicleta facilita o trânsito
Vídeos

O uso da bicicleta facilita o trânsito