Notícias
| Postado em 31 de outubro de 2019 às 7:10

O transporte público metropolitano e a falta de fiscalização no trânsito

Por Redação Portal

Flagrante é a discrepância de opiniões, sugestões e principalmente reclamações a respeito da qualidade do transporte publico e do caos no trânsito.

O transporte público metropolitano e a falta de fiscalização no trânsito

Discute-se muito a eficiência do transporte público e/ou a realidade do trânsito no Brasil, na Paraíba, podemos destacar a região metropolitana de João Pessoa nessa discussão.

Flagrante é a discrepância de opiniões, sugestões e principalmente reclamações a respeito da qualidade do transporte publico e do caos no trânsito. O usuário do ônibus discute e reclama do tempo de espera pelos coletivos, da superlotação, preço da tarifa e o respectivo tempo de viagem. Por sua vez, o usuário de transporte individual, veículos particulares, reclamam basicamente dos mesmos temas: vias congestionadas, o tempo que se passa dentro desse congestionamento e alto valor da gasolina. Em parte ambos estão certos, porque uma coisa está ligada a outra, ou seja, o transporte público está ligado ao trânsito. Mas se sabemos dessa realidade! O que fazer? Quais as soluções…

Podemos apontar algumas medidas que aumentam a competitividade dos ônibus, proporcionando maior segurança, conforto, eficiência e confiabilidade, são essenciais para que o usuário deixe o carro na garagem.

• A política de prioridade ao transporte coletivo em detrimento ao transporte individual ao longo das duas ultimas décadas não vêm sendo cumprida, o exemplo claro, é, a Lei 12.587/12, lei da mobilidade urbana, a qual obriga os gestores públicos priorizarem investimentos em Transporte de massa, modais não motorizados e mobilidade urbana, a não execução dessas medidas afeta diretamente a qualidade do transporte publico, agravando o caos no trânsito e má qualidade de vida das pessoas.

Não temos outra via! Se realmente quisermos um transporte de qualidade e por conseqüência diminuir o caos no trânsito, teremos cumprir o que diz a legislação.

Transporte Público de qualidade! De quem é a responsabilidade?

 

Gestores Públicos

– Uma fiscalização rigorosa e permanente do transporte ilegal de passageiro (Clandestino), que afeta diretamente o transporte legal.

-Fiscalização rigorosa na operação do transporte legal e regulamentado (empresas)

– Investimento na infraestrutura viária priorizando no trânsito o transporte de massa;

– Abrigos de espera do coletivo com o mínimo de conforto;

– Segurança com foco no ônibus para coibir os assaltos;

– Uma tarifa acessível com subsídio como prever a Lei;

– Reduzir impostos do diesel e reverter à redução na tarifa;

– Estacionamentos Publico fora do centro das cidades.

– Faixas exclusivas para ônibus também estão entre as ações intervenções baratas e rápidas que podemos considerar boas e eficientes para fluidez no deslocamento.

EMPRESAS PERMISSIONÁRIAS

– Renovação da frota anualmente

– Qualificação dos profissionais do seguimento

– Investimento em tecnologia embarcada

– Busca permanente por um atendimento de qualidade ao cliente (usuário).

Como com se vê, Investir no transporte coletivo é estratégia contra engarrafamentos, e passa por iniciativas governamentais e investimento do seguimento empresarial, ou seja, se um fizer sua parte e o outro não, a conseqüência é essa que testemunhamos no nosso cotidiano.

Fonte


Tags


Deixe sua reação


Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Notícias Relacionadas
Drogômetro

Aparelho capaz de detectar substâncias psicoativas será testado durante operação em rodovia

A Triunfo Transbrasiliana e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizam nesta quinta-feira...

Motocicleta

Produção de motocicletas ultrapassa 1 milhão de unidades

Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas,...

Radar

Radares móveis: volta dos dispositivos é questionada pela AGU

O presidente Jair Bolsonaro informou, nesta quinta-feira, 12, que a Advocacia-Geral da ...

Colunas
Colunas
Colunas
Colunas