Notícias
| Postado em 31 de outubro de 2019 às 3:49

Sobre a indústria da multa no trânsito

Por Redação Portal

Entre as tantas questões polêmicas levantadas nesse governo federal que se inicia, está a de “acabar com a indústria da multa no trânsito”. Em um país onde são ceifadas em torno de 60.000 vidas por ano, segundo dados não oficias que consideram os óbitos ocorridos até 30 dias, recomendado pela OMS e pela ABNT, sendo a maioria jovens e sem falar na legião de incapacitados, temos que ter o cuidado de não reduzir esta discussão ao senso comum.

Sobre a indústria da multa no trânsito

Sem me referir à multa mal aplicada, por óbvio, fato é que a multa se constitui numa importante ação de curto prazo do chamado Enforcement (esforço legal), o qual juntamente com a engenharia (viária e veicular) e a educação (e não apenas a educação) constituem-se nos pilares da prevenção aos acidentes de trânsito.

Em um país que não consegue nem ao menos implantar a inspeção técnica veicular, constante do CTB desde 1997 e já implantada a muito tempo nos países que realmente se preocupam com mortalidade no trânsito, a ausência de um programa de prevenção de acidentes de trânsito faz com que a multa acabe desempenhando um papel fundamental no tratamento do fator humano, preponderante como causa dos acidentes de trânsito.

Importante se faz salientar que os acidentes de trânsito, além da tragédia social e familiar, representam custos superiores a 50 bilhões de reais por ano, segundo dados do IPEA, o que nos permite concluir que o prejuízo gerado pelos acidentes de trânsito no Brasil tem maior impacto que a tão discutida reforma da previdência social.

E com relação à extinção das lombadas eletrônicas, vale lembrar que as mesmas em muito contribuíram para reduzir as estatísticas de mortes por atropelamento no Brasil, inclusive em frente a escolas e hospitais, porém com redução do número total de vítimas fatais encobertas pelo vertiginoso aumento promovido pelas motocicletas. Na minha opinião, a maneira mais sensata de se “acabar com a indústria da multa no trânsito” seria aplicar no trânsito o máximo de recursos gerados pelas próprias multas. Teríamos, por exemplo, estradas muito melhores.

Eng. Rodrigo Kleinübing – Perito Criminal Especialista em Acidentes de Trânsito

Fonte


Tags


Deixe sua reação


Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Notícias Relacionadas
Recall

Hyundai chama i30 para recall; airbags podem se abrir com impactos em ...

A Hyundai anunciou um recall envolvendo 112.585 unidades do i30 de primeira geração, feitos...

DPVAT

Seguradora quer reverter decisão do governo de extinguir Dpvat

De cada 10 veículos na rua, menos de três têm seguro facultativo – mais de 70% transitam...

Dúvidas

Gasolina com água e combustível incolor. O que é mito e verdade?

Quando o assunto é a gasolina que vai para o motor do carro, todo cuidado é pouco. Apesar de todas...

Colunas
Colunas
Colunas
Colunas